Siga
Os discos preferidos de Tom Waits

Os discos preferidos
de Tom Waits

05/04/2016
por

O Observer, a versão dominical do jornal britânico The Guardian, deu início a uma nova seção, em que convida músicos famosos para falarem de seus álbuns favoritos. O primeiro a participar foi Tom Waits, que listou seus 20 discos preferidos de todos os tempos. Confira abaixo as escolhas e os comentários do cantor.

 

"In The Wee Small Hours", Frank Sinatra (1955) - "A ideia é colocar esse disco logo após o jantar e, lá pela última música, você estará exatamente onde você queria."

 

"Solo Monk", Thelonious Monk (1964) - "Ele quase soa como um garoto tendo aulas de piano. Eu me identifiquei com isso quando comecei no piano, porque ele estava decompondo a musica enquanto a tocava."

 

"Trout Mask Replica", Captain Beefheart (1969) - "O diamante mais bruto da mina. Suas invenções musicais são feitas de ossos e lama."

 

"Exile On Main Street", Rolling Stones (1972) - "'Just Want To See His Face' - essa canção teve um grande impacto em mim, particularmente porque eu queria aprender a cantar naquele falseto, do jeito que Jagger faz. Quando ele canta como uma garota eu enlouqueço. Eu disse: 'preciso aprender a fazer isso'. Só consegui quando parei de fumar."

 

"The Sinking of the Titanic", Gavin Bryars (1975) - "Esse é difícil de achar, você já ouviu? É uma interpretação musical do naufrágio do Titanic. Você ouve uma pequena orquestra de câmara tocando ao fundo, e eles lentamente começam a afundar na água enquanto tocam."

 

"The Basement Tapes", Bob Dylan (1975) - "É suficente dizer que Dylan é um planeta a ser explorado. Para um compositor, Dylan é tão essencial quanto pregos, um martelo e um serrote para um carpinteiro."

 

"Lounge Lizards", Lounge Lizards (1980) - "Costumavam acusar John Lurie de tocar jazz falso - muita pose, muito barulho. Quando ouvi pela primeira vez achei tão alto que quis ir para o lado de fora e ouvir por detrás da porta - e era jazz."

 

"Rum Sodomy and the Lash", The Pogues (1985) - "A voz de Shane passa muitas coisas. Ele tocam como se fossem soldados de licença. As canções são épicas. É extravagante e profano, é enjoado e herege."

 

"I'm Your Man", Leonard Cohen (1988) - "Canções importantes, meditativas, competentes, e Leonard é um poeta - um poeta Extra Grande."

 

"The Specialty Sessions", Little Richard (1989) - "A energia e a explosão que é 'Lucille' apontou sozinha o dedo e mostrou o caminho a seguir. O equipamento não foi feito para ser usado desse modo. A agulha ainda está batendo no vermelho."

 

"Startime", James Brown (1991) - "Vi James Brown pela primeira vez em 1962 em um palco ao ar livre em San Diego, e foi indescritível... foi como colocar o dedo na tomada."

 

"Bohemian-Moravian Bands", Texas-Czech (1993) - "É uma música ao mesmo tempo azeda e amarga, e picante, e que flutua sobre si mesma como o vapor de uma chaleira."

 

"The Yellow Shark", Frank Zappa (1993) - "Foi o último grande trabalho dele. A banda é mais que inspiradora. É uma rica coleção de textura e cor. É a clareza da loucura perfeita, em pleno domínio."

 

"Passion for Opera Aria (1994)" - "Eu ouvi 'Nessun Dorma' em uma noite na cozinha do restaurante Coppola, junto com Raul Julia, e essa aria mudou minha vida. Eu nunca tinha ouvido. Ele me perguntou se eu já tinha escutado, eu disse que não, e ele reagiu como se eu tivesse dito que nunca havia comido espaguete com almôndegas - 'Oh meu Deus, oh meu Deus!'. Então ele me levou até a jukebox (havia uma jukebox na cozinha), a colocou para tocar e me largou lá. Foi como dar um charuto para uma criança de cinco anos. Eu fiquei roxo e comecei a chorar."

 

"Rant in E Minor", Bill Hicks (1997) - "Preste atenção em Rant in E Minor. É um trabalho de primeira, tão importante quanto os discos de Lenny Bruce. Ele vai corrigir a sua visão das coisas. A vida dele foi abreviada pelo cãncer, mas ele deixou suas ferramentas por aqui. Outros vão percorrer a estrada que ele construiu."

 

"Prison Songs: Murderous Home Alan Lomax Collection" (1997) - " Sem a música gospel, sem a Igreja Batista e sem toda a experiencia afro-americana neste país, eu não sei o que nós consideraríamos música. Não sei de que fonte estaríamos bebendo."

 

"Cubanos Postizos", Marc Ribot (1998) - "Estas gravações mostram uma das muitas encarnações de Ribot, dessa vez como um cubano postiço."

 

"Houndog", Houndog (1999) - "Houndog, o álbum que David Hidalgo [Los Lobos] gravou com Mike Halby [Canned Heat]. Taí um bom disco para ouvir quando você está cruzando o Texas de carro. Não me canso disso nunca."

 

"Purple Onion", Les Claypool (2002) - "Canções para crianças crescidas,"

 

"The Delivery Man" Elvis Costello (2004) - "O baixista é um gorila do groove. Pete Thomas ainda é um dos melhores bateristas vivos do rock. Diatribes e explosões furiosas com funk e energia."